Sobre Joseph Turner

É o guia espiritual da médium Maria Gertrudes. Apresentou-se a ela em dezembro de 1995, dizendo apenas: “Eu sou Joseph, um pintor inglês.”

A princípio, ela pensou que este espírito seria um ilustre desconhecido, e descobriu após alguns meses de sua comunicação que se tratava de um célebre pintor inglês, um dos maiores gênios da pintura inglesa. Espantada com tal revelação, mesmo assim teve muitas dúvidas sobre sua identidade, somente após ele provar que ela estava enganada, foi que a médium se entregou totalmente ao trabalho da pintura mediúnica e orientada por ele começou a construção da Fundação Espírita Jerônimo Mendonça.

Joseph Mallord William Turner nasceu em 1776 e faleceu em 1851 em Londres, sua terra natal.

Joseph Turner, o espírito que me iniciou na abençoada tarefa de pintura mediúnica tem bem definido, uma equipe que o auxilia.

São os seguintes espíritos que foram pintores e hoje trabalham para o bem da humanidade:

  • Os impressionistas:
    Renoir, Monet. Sisley, Matisse, Alex
  • Os expressionistas:
    Vincent Von Gogh, Igor, Tyo, Danilo e Taís
  • Os clássicos:
    Rembrandt, Velásquez, Leonardo
  • Os modernos:
    Picasso, Portinari
  • O Escritor:
    J.W. Rochester ou Conde Rochester (encarnação como escritor satírico na Inglaterra)

Para homenagear os pintores, decidi nomear as oficinas com os seus nomes.
Joseph Turner disse-me que: Na Nova Escola o aluno é Professor e o Professor é aprendiz de Aluno.

Ele disse também que:
Os sonhos somente se tornarão realidade, se, também, ousarmos sonhá-los.

Pequeno Histórico:

Antes de completar 10 anos, Turner, filho de um barbeiro de Londres, ganhou o primeiro dinheiro como pintor colorindo uma gravura. Quatro anos mais tarde, entrou para a Real Academia de Londres. Começou como pintor topográfico e pouco a pouco foi se inclinando para as paisagens, principalmente as marinhas. Em 1802 foi admitido como membro da Academia de Londres. Algum tempo depois, fez sua primeira viagem ao continente. Ficou entusiasmado com a pintura dos grandes mestres no Museu do Louvre, então enriquecido com os saques de Napoleão. Lorrain e Poussin eram seus pintores preferidos.

Turner dedicou-se à pintura da paisagem com paixão, energia, força, interpretando seus temas de forma épica. Seus trabalhos transmitiam uma emoção extrema e foi considerado o ponto culminante da paisagem romântica. Turner foi extremamente precoce, brilhante e bem sucedido. Iniciou na arte aos 13 anos com seus desenhos e com 15 anos atingiu sua reputação. Era um homem solitário, sem amigos e quando pintava não permitia a presença de pessoas, mesmo que fossem outros artistas.

Uma de suas preocupações principais foi a aplicação da luz e sua incidência sobre as cores da maneira mais natural possível. Para tanto, dedicou-se intensamente ao estudo dos paisagistas holandeses do século XVIII, muito em voga naquela época na Europa. Em sua obra os motivos eram em geral paisagens, e o mar era uma constante nos quadros do pintor inglês.

Com o tempo desenvolveu um estilo próprio de pintar. Sua vida foi inteiramente dedicada à pintura. Seu acervo é magnífico, com mais de 20.000 mil obras. Os temas que ilustravam efeitos de dramaticidade particularmente o fascinavam. Pintou muito o mar, os rios, as cachoeiras e os abismos, pois eram belos e perigosos.

O modo como Turner trata a água, o céu e a atmosfera, em geral se afasta de todo o realismo natural e se transforma no reflexo anímico da situação. As pinceladas soltas e difusas dão forma a um torvelinho de nuvens e ondas, a uma desesperança interior que se transmite à natureza, uma das características básicas do romantismo.

Também foi de grande relevância para sua pintura a viagem que fez a Veneza em 1812, quando o pintor descobriu a importância da cor e conseguiu dar corpo à atmosfera de uma maneira que, anos depois, os impressionistas retomariam. Não surpreendentemente, Veneza se torna sua cidade preferida, uma fusão da água e da civilização, pintou-a muitas vezes em 1819 e depois em 1828.

De 1830 a 1840, Turner deixou de lado a forma e criou espaços voláteis de nuvens e cores, como em Chuva, Vapor e Velocidade (1844), por exemplo, que remete aos quadros abstratos de pleno século XX. Não é sem motivo que foi qualificado por muitos historiadores como o primeiro pintor de vanguarda.

Sua última exposição foi em 1850. No ano seguinte veio a falecer doente e solitário como sempre viveu. Após meses desaparecido, foi descoberto muito doente por sua empregada. Morreu em Chelsea em dezembro, de 1851. Suas obras mais importantes estão na National Gallery e na Tate Gallery, ambas em Londres.

Sobre Turner escreveu muito bem Richard Lacayo, na revista TIME de 2,Nov,2007, afirmando que embora pudesse desenhar com precisão molecular seu impulso não era delinear a forma mas dissolvê-la.